sábado, 19 de Abril de 2014

JORNAL DEMOCRATA


ACERCA DOS RESULTADOS PROVISÓRIOS

http://7ze.blogspot.pt/2014/04/nulidade-absoluta.html

OPINIÃO: ORGULHO EM SER GUINEENSE

Finalmente estamos a chegar o fim duma transição perlongada e indesejada.
Assim como a grande maioria dos guineenses, sinto-me tão leve, como se tivesse acordado dum pesadelo, mesmo sabendo que, existe ainda a nos...sa frente, um deserto aberto à atravessar.

Acredito num país mais forte, mais digno, mais credível, mesmo sabendo que, “é cassa ku no djunta” está em ruína e carece de cuidados intensivos.
Vejo o meu povo mais seguro mais confiante, mesmo sabendo que, no passado recente, teve dissabores e surpresas desagradáveis.

As eleições de 13/04/2014 constituem um importante passo para a consolidação da democracia, rumo a um futuro melhor.
Os guineenses deram lições de civismo ao mundo e provaram o quanto são bons em tomar atitudes e em escolher caminhos vitoriosos.

Os resultados, apontam para as vitórias de duas grandes personalidades, para preencherem as vagas de chefe de estado e o chefe do governo. Se as intenções dos votos se concretizarem, serão sem dúvidas, dois pilares capazes de unir os guineenses, alicerçar a nossa democracia e mudar o estado das coisas.

Hoje, o tempo mudou... Pois, já não era sem tempo.
Temos que mudar também a nossa postura e trilhar novos caminhos;
transformar os nossos tombos, a nossa dor que parece eterna, em aprendizado.
Este tempo é de lutas e kangalutas, de conquistas e alegrias.

Espero que os filhos desta nação ganhem a consciência de não abrir mão de valores fundamentais, em detrimento de interesses particulares.
Que os guineenses entendam duma vez por todas, que a traição é cobardia, a justiça é uma virtude e a corrupção é um crime que deve ser punido.

Faço votos de que, a chuva que já deixou as marcas e o cheiro da terra molhada, não pare de cair sobre este chão sagrado.
Que o Sol não deixe de abrilhantar os nossos dias e que, aqueça as mentes mais agitadas e arrependidas.

Confesso que cada dia que passa, aumenta o meu orgulho de ser guineense.

Mantenhas...

Londres, 16/04/2014.
Vasco de Barros.

sexta-feira, 18 de Abril de 2014

quarta-feira, 16 de Abril de 2014

PAIGC: OBTEVE UMA ESTRONDOSA VITÓRIA QUE LHE PERMITE GOVERNAR LARGO E FOLGADO

PARABÉNS DSP. PARABÉNS PAIGC.

TU VAIS SER UM PRIMEIRO MINISTRO DE SUCESSO!!!

SEGUNDA VOLTA SERÁ NO DIA 18 DE MAIO DE 2014

PAIGC GANHOU COM MAIORIA ABSOLUTA

PARABÉNS PARA O PRESIDENTE DOMINGOS SIMÕES PEREIRA.

APESAR DAS VÁRIAS DIFICULDADES E GUERRAS INTERNAS DENTRO DO
PAIGC O POVO JÁ ESCOLHEU O PRÓXIMO PRIMEIRO MINISTRO.

VICTOR MANDINGA DIZ QUE NÃO VAI ACEITAR OS RESULTADOS. " É FURTANO UM DEPUTADO NA BAFATA I UTRU NA CONTUBOEL"

"Djintis tem ku tené responsabilidade néss terra. Anôs nô kana ceta ess resultados"

Nado Mandinga

ACABOU ? POXA PÁ ISTO FOI MUITO RAPIDO O TIPO NEM REPETIU. FALOU UMA VEZ E DISSE QUE ACABOU. FOGO

LEGISLATIVAS

1- PAIGC- 55 MANDATOS
2- PRS- 41 MANDATOS
3- PCD- 2 MANDATOS
4- PND- 1 MANDATO
5- UM-  1 MANDATO


Faltam mandatos da diaspora

CONT V

Resultado das eleições Presidenciais:

1- José Mário Vaz-- 40%
2- Nuno Nabiam-- 25%
3- Paulo Gomes-- 9, 87 %
4- Abel Incada (PRS) -- 7, 3%
5- Mamadu Iaia Djaló (PND)--
6- Ibrahima Sory Djalo- 3,2 %
7- Antonio Afonso Té- 2, 9%
8- Helder Vaz- 1,3%
9- Domingos Quadé- 1,3%
10- Aregado Mantenque Té-- 1,1%
11- Luis Nancassa- 1,1%
12- Jorge Malú- 0,9%
13- Serilo Oliveira- 0,3%

Total: 615 000 votos válidos

Segunda Volta: José Mario Vaz & Nuno Gomes Nabiam

CONT IV

Não vamos aos detalhes mas sim ao essencial

CONT(III)

Não estamos em condições hoje de anunciar os resultados da diáspora.

Nota: Isto é muito mau poxa pá

CONTI (II)

Eis chegada a hora que todos esperavam o anúncio dos resultados realizados no
passado domingo. Nesse dia os cidadãos guineenses fizeram historia. ....

CONTI...

Caros compatriotas, cidadaos da guiné bissau,
Paises amigos que se encontram aqui. Membros do corpo diplomatico
Minhas senhoras e meus senhores

AS PRIMEIRAS PALAVRAS DO PRESIDENTE DA CNE AUGUSTO MENDES

Boa noite a todos,

Em nome da comissão nacional de eleições as nossas sinceras desculpas pelo o atraso. Foi alheio a nossa vontade. Como sabem nós tivemos um numero consideravel de eleitores coisa que já mais vista no nosso país. E quando é assim é dificil dar resposta na altura. Pedimos mais uma vez as nossas sinceras desculpas

O MESTRE DE CERIMÓNIA JÁ COMEÇOU A FALAR

O AMBIENTE É DE UM SILÊNCIO TOTAL. PARECE QUE O MUNDO TODO ESTÁ AQUI NO HOTEL 24 DE SETEMBRO

O PRESIDENTE DA CNE JÁ ESTÁ NA MESA. AS PRIMEIRAS DECLARAÇÕES EM BREVE

PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTORIA DEMOCRÁTICA DO PAÍS OS RESULTADOS VÃO SER DIVULGADOS A NOITE. UM PAÍS ONDE TER LUZ EM CASA TORNOU-SE UM LUXO

O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ACABA DE CHEGAR AO HOTEL 24 DE SETEMBRO PARA A PUBLICAÇÃO DOS RESULTADOS

Chegou a hora H!!!!

A REUNIÃO DA PLENÁRIA DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES JÁ ACABOU MAS O PRESIDENTE DA CNE AINDA CONTINUA NO SEU GABINETE.

O país está ansioso. Muito ansioso mesmo.

TÁ QUASE, TÁ QUASE A COMEÇAR A FESTA DE DEMOCRACIA

Mais uns minutos e eles vão começar a anunciar os resultados. Não sai do seu blog.

GUINÉ-BISSAU ESTÁ EM SUSPENSE SOBRE OS RESULTADOS ELEITORAIS. A PLENÁRIA DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES AINDA ESTÁ REUNIDA.E NÓS ESTAMOS AQUI COM UMA MULTIDÃO DE COLEGAS JORNALISTAS A ESPERA DA HORA H

SEGUNDA VOLTA KA NA MAINA

JOMAV  +  NUNO NABIAM =  PROGRESSO NACIONAL

FESTIVAL DE BUBAQUE


FALTAM MENOS DE 2 HORAS PARA ACABAR TODO ESTE SUSPENSE DOS RESULTADOS

Mas já agora porquê que os resultados tem que ser anunciados ao pôr do sol ?
Muito estranho mesmo, mas enfim...

CNE DIVULGA AS 19 HORAS DESTA TARDE/NOITE OS RESULTADOS PROVISÓRIOS DA ELEIÇÕES DE 13 DE ABRIL

Outras agendas do Presidente da CNE hoje:

-- 12 Horas : Encontro com os Presidentes das CREs;

-- 17 Horas : Reunião da Plenária e,

-- 19 Horas : Divulgação pública dos resultados.

ESTADOS UNIDOS DE AMERICA ELOGIAM A FORMA PACÍFICA COMO DECORREU AS ELEIÇÕES

VEJA AQUI

GUINEÉ-BISSAU: LA LÉGITIMITÉ DU PRÉSIDENT SEULE NE GARANTIT PAS LA SATIBILITÉ

VEJA AQUI

LUSOMONITOR: PAIGC E JOMAV VENCEDORES NA GUINÉ-BISSAU

VEJA AQUI

A COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ANUNCIA HOJE OS RESULTADOS PROVISÓRIOS. O PAÍS ESTÁ EM SUSPENSE QUANTOS AOS NÚMEROS FINAIS

Não há dúvidas quanto ao vencedor. Agora a grande dúvida é quanto aos números
de deputados e a percentagem de JOMAV relativamente a Nuno Nabiam. Hoje vamos
saber.

terça-feira, 15 de Abril de 2014

UN CHIEF HAILS ORDERLY, PEACEFUL ELECTIONS IN GUINEA-BISSAU

VEJA AQUI

ÚLTIMA HORA: INFORMAÇÕES NÃO CONFIRMADAS DÃO CONTA QUE O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES ESTÁ SOBRE UMA FORTE PRESSÃO

Resultados ? Resultados ? Resultados ? "Pubis ka burro, udju ta odja boka ta cala óó"

O PROGRESSO NACIONAL BATEU ONTEM O SEU PRÓPRIO RECORDE DE VISUALIZAÇÕES: 17.181

Nunca tinhamos atingido um número tão elevado de visualizações num só dia.

ISTO DEMONSTRA QUE HÁ MUITA FALTA DE INFORMAÇÃO SOBRE
A GUINÉ-BISSAU NA INTERNET.

COMO DIZ O NOSSO MANO DIDAS "VAMOS CONTINUAR A TRABALHAR"

COMUNICADO DA UNIÃO EUROPEIA




CAMPANHA DE COMERCIALIZAÇÃO DA CASTANHA ESTÁ A DECORRER SEM FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO E OS COMERCIANTES ESTÃO A APROVEITAR DA CRISE PARA ESMAGAR A POPULAÇÃO PRODUTORA COM PREÇOS MUITOS BAIXOS EM RELAÇÃO AO ESTIPULADO PELO GOVERNO (250 FRANCOS CFA O KILO).

Segundo apurou o "PN" em algumas localidades do país, a castanha de cajú está a ser comercializada por 100 Francos o Kilo. Uma roubalheira estrondosa à vista do executivo de "trajetória infeliz".

Informações de que dispomos, dão conta que, no Setor de Empada (Zona de Caur de baixo), Região de Quinara, Sul do país, foi preso um comerciante guineense por estar a trocar 2 Kg de castanha de cajú por 1Kg de arroz.

O PRESIDENTE DA CNE PROMETEU RESULTADOS PROVISÓRIOS O MAIS TARDAR ATÉ ESTA QUARTA-FEIRA, MAS O DESENVOLVIMENTOS LENTA DE INTRODUÇÃO DE DADOS NAS COMISSÕES REGIONAIS DE ELEIÇÕES PODERÁ DEITAR POR TERRA ESSA VONTADE DE AUGUSTO MENDES. E, SEGUNDO APUROU O "PN", A DIVULGAÇÃO PROVISÓRIA DOS RESULTADOS ELEITORAIS PODERÁ ACONTECER ENTRE TARDE E NOITE DE QUARTA-FEIRA OU MANHÃ DE QUINTA-FEIRA SE MAIS ESFORÇOS NAS CREs FOREM EMPREENDIDOS. VAMOS LÁ DAR EEMPLO DE QUE SOMOS CAPAZES!!!!!!!!!!!!!!!!!!

OBSERVADORES DÃO NOTA 10 AO PROCESSO ELEITORAL

VEJA AQUI

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

QUARTA FEIRA A COMISSÃO DE ELEIÇÕES DIVULGA OS RESULTADOS PROVISÓRIOS

VEJA AQUI

CEDEAO REJEITA ACUSAÇÃO DE PATROCINIO DO GOLPE

VEJA AQUI

JOAQUIM CHISSANO EX-PRESIDENTE DE MOÇAMBIQUE APELA A SE MANTER A PAZ E ESTABILIDADE NA GUINÉ-BISSAU

VEJA AQUI

MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA UNIÃO EUROPEIA, UNIÃO AFRICANA E DA CEDEAO DERAM NOTA POSITIVA A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE VOTAÇÃO PELA CNE E CONSIDERARAM DE MUITO POSITIVO A TAXA DE PARTICIPAÇÃO DO ELEITORADO GUINEENSE. EM RESUMO SUBLINHARAM QUE AS ELEIÇÕES DE 13 DE ABRIL, FORAM LIVRES, JUSTAS E TRANSPARENTES. DESTACARAM ALGUMAS PEQUENAS SITUAÇÕES NÃO MUITO RELEVANTES.

NUNO GOMES NABIAM PODERÁ RECEBER APOIOS DE AFONSO TÉ E DE IAIA DJALÓ

PAULO GOMES PODERÁ APOIAR JOSÉ MÁRIO VAZ NA SEGUNDA VOLTA

JOMAV CONTINUA A LIDERAR A CONTAGEM SEGUIDO DE NUNO NABIAM E PAULO GOMES

ATENÇÃO QUE ISTO NÃO SÃO RESULTADOS OFICIAIS MAS SIM

PREVISÕES DO BLOG PROGRESSO NACIONAL :


1- JOMAV-- 49%
2- NUNO NA BIAM-- 28%
3- PAULO GOMES-- 11%
4- ABEL INCADA-- 11%
5- AFONSO TÉ-- 1%

Os resultados a serem publicados na quarta feira não devem fugir disto mas existe ainda
a possibilidade de JOMAV ganhar com a maioria absoluta. Falta-nos receber informações de
Bissorã, Bigene, Mansoa e Mansabá. Esperamos que este post não sirva de propaganda politica
porque é a análise de um blog.

NANDO VAZ FELICITOU O PAIGC PELA VITORIA

CONFUSÃO ENTRE A GUINÉ-BISSAU E A NOVA GUINÉ

Caros bloguistas e lutadores pela boa causa,
a seguir, envio-vos o seguinte link
http://www.ilfattoquotidiano.it/2014/04/13/dellutri-arrestato-lintercettazione-inedita-sfruttiamo-la-onlus-di-berlusconi/949950/ de uma noticia publicada na versão online de um dos jornais mais lidos de Itália, em que o nome da Guiné-Bissau vem associado a uma personagem de reputação duvidosa (foi acusado e em vias de ser condenado definitivamente, 15/04/2014,  por crimes de associação mafiosa). No artigo, várias vezes, faz-se confusão entre a Guiné-Bissau e Nova Guiné mas, analisando o conteúdo e conhecendo a realidade guineense, facilmente, conclui-se que se trata da Guiné-Bissau.
O google translate pode servir de ajuda para os que não compreendem a língua italiana.
Se acharem iteressante o link, analisem e publiquem-no. Caso contrário, aceitem as minhas sinceras desculpas por eventuais incómodos.
Obrigado.
B

ÚLTIMA HORA: ATÉ HOJE NO FIM DA TARDE AVANÇAREMOS COM AS PROJECÇÕES. SEGUNDO AS NOSSAS FONTES OS CANDIDATOS MAIS VOTADOS FORAM JOSÉ MÁRIO VAZ E NUNO NA BIAM

Nas legislativas parece que o PAIGC arrasou completamente.

PAULO GOMES ENCONTRA-SE A FRENTE DE JOMAV NA CONTAGEM DOS VOTOS NA REGIÃO DE CACHÉU

COMUNICADO DE IMPRENSA DO PAIGC

VEJA AQUI

domingo, 13 de Abril de 2014

CNE ACABOU DE FAZER O ÚLTIMO BALANÇO DA VOTAÇÃO DE HOJE QUE DISSE SER MUITO POSITIVO E COM MAIOR AFLUÊNCIA DE SEMPRE, SE COMPARADO COM OS PROCESSOS ANTERIORES. A CNE PROMETEU RESULTADOS PROVISÓRIOS SÓ DEPOIS DE TER EM MÃOS TODOS OS DADOS VINDOS DE TODAS AS MESAS DO PAÍS E DA DIÁSPORA. A CNE APROVEITOU PARA AGRADECER O CIVISMO DO POVO E AGRADECEU TAMBÉM O APOIO DOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DURANTE TODO O PROCESSO.

ÚLTIMA HORA: A CONTAGEM JÁ COMEÇOU

Recebemos informações de 3 mesas de voto em Quínara, 2 em Tombali e 4 mesas de voto
em Bissau e em todos eles o PAIGC e o seu candidato JOMAV estão com larga vantagem.
Nessas mesas de voto o segundo candidato as presidenciais mais votado é o Engº Nuno Na Biam
e o segundo partido mais votado é o Partido da Renovação Social.

São dados que vamos continuar a acompanhar.

KATIA LOPES PORTA-VOZ DA CNE DISSE AGORA QUE EM BISSAU JÁ FORAM ATINGIDOS OS 60 % DE VOTOS EM RELAÇÃO AO INTERIOR E NA DIÁSPORA, NÃO EXISTEM AINDA DADOS CONCRETOS.

CARMELITA PIRES, PRESIDENTE DO PUSD E CANDIDATA A PRIMEIRA MINISTRA VOTOU ESTA MANHÃ


APESAR DO SOL ARDENTE AS PESSOAS CONTINUAM NUMA FILA ENORME AQUI NO CENTRO DE BAFATÁ

As coisas no leste do país estão a decorrer de uma forma normal e transparente até agora

JOSÉ MARIO VAZ E DOMINGOS SIMÕES PEREIRA VÃO VOTAR AS 10H00

DOMINGOS QUADÉ, CANDIDATO INDEPENDENTE VAI VOTAR NO CIRCULO ELEITORAL 28 DISTRITO ELEITORAL 33

A VOTAÇÃO ESTÁ A DECORRER SEM INCIDENTES DE MAIOR

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE TRANSIÇÃO, EL HADJI MANUE SERIFO NHAMADJO VOTA AS 10H00 NO CIRCULO ELEITORAL 29, DISTRITO ELEITORAL 14

O nosso repórter já se encontra no terreno para recolher as primeiras declarações.

PERCORREMOS AS MESAS DE VOTO E VIMOS UMA GRANDE AFLUÊNCIA AS URNAS

É um sinal claro que as pessoas estão fartas daa transição.

ÚLTIMA HORA: UM DELEGADO DO PARTIDO DA RENOVAÇÃO SOCIAL ACABA DE SER APANHADO COM O CADERNO ELEITORAL

Isto é algo de muito grave e já se está a tomar medidas sobre isso.

GUINEA-BISSAU GOES TO POLLS IN SEARCH OF STABILITY

VEJA AQUI

FINALMENTE ESTA TRANSIÇÃO CHEGOU AO FIM. 2 ANOS E UM DIA

Apartir de amanhã teremos novos dirigentes mesmo que ainda não sejam empossados
mas é a certeza do fim deste pesadelo que no principio não acreditavamos que ia durar
dois anos mas que fomos lentamente aceitando. Esta transição não vai deixar saudades
a ninguém, pelo menos a este martirizado povo.

sábado, 12 de Abril de 2014

HOJE NÃO PODEMOS PUBLICAR NADA SOBRE A CAMPANHA ELEITORAL POR SER DIA DE REFLEXÃO. OBRIGADO PELA COMPREENSÃO

Amanhã avançaremos os resultados em primeira mão porque temos uma equipa de gente
fántastica a trabalhar para o progresso nacional ou seja o progresso de todos nós.

sexta-feira, 11 de Abril de 2014

COMUNICADO DE IMPRENSA DA UNIÃO EUROPEIA



PROGRAMA ELEITORAL DO PAIGC

http://maisguine.blogspot.pt/2014/04/plano-eleitoral-paigc.html

GUINÉ-BISSAU DESTINO TURÍSTICO POR EXCELÊNCIA

http://www.libertalia.org/afrique/voyage-en-guinee-bissau.xhtml

Uma notícia agradável e feliz sobre a Guiné-Bissau, acabada de sair

PROMESSAS

http://www.portaldeangola.com/2014/04/guine-bissau-eleitores-dizem-estar-cansados-de-ouvir-promessas/

ELECTIONS PRESIDENTIELLES ET LEGISLATIVES DU DIMANCHE 13 AVRIL 2014 EN GUINEE-BISSAU



VOS BUREAUX DE VOTE EN EUROPE
Ouverture : 9H00 / Fermeture : 19H00 (Heures locales)




FRANCE
ESPAGNE
PORTUGAL
PARIS
FASHION BUSINESS CENTER LOUVRE
9, rue du Louvre 75001 PARIS
Métro 1 La Défense – Château de Vincennes
Station : Louvre Rivoli
4 Mesas de voto

MANTES LA JOLIE 
Eglise St Jean-Baptiste
2, rue Jean de la Fontaine 
1 mesa de voto

EVREUX   
Cavalier de salles   
1, bis Rue Saint Nicolas
1 mesa de voto

ROUEN
1, rue Forfait, Rouen
1 mesa de voto           



MADRID :
C/ Avenida de America 16 Embaixada da Guine_Bissau
1 mesa de voto 

ALMERIA
Roquetas de Mar 
2 mesas de voto

BILBAO
Consulado de Guine-Bissau  
1 mesa de voto

BARCELONA
Consulado de Guine Bissau
Marcelina LABARE-MONTEIRO
Departamento  comunicaÇão politica & marketing Diaspora / Europa

 
1 Mesa de voto
PORTO
Camara municipal - 1 mesa

COIMBRA
Casa da Lusofonia
& ResidenciaUniversitaria de AVEIRO -  1 Mesa movel

ALGARVE
Hotel Albuseira - 1 mesa

CASCAIS
San Domingo de Rana - 1 mesa

AMADORA-Linha Cintra
Val d’AMOREIRA
& Escola Primaria N°1
1 mesa movel

ALVERCA
Casa do Povo (Arcena)
& Sacavem A.P.L.
1 mesa movel

ODIVELAS
Camara Munipal  - 1 mesa

ESTADOS UNIDOS SOBRE ELEIÇÕES

Nota do Departamento de Estado norte americano sobre as eleições na Guiné-Bissau.

http://iipdigital.usembassy.gov/st/english/texttrans/2014/04/20140409297665.html#axzz2yRISfvvQ

COMUNICADO DE IMPRENSA - TCHERNO DJALÓ



O candidato independente à eleição presidencial, Doutor Tcherno Djalo, excluído do processo eleitoral pelo Supremo Tribunal de Justiça, serve-se da presente para endereçar aos seus apoiantes e a todos os guineenses a seguinte mensagem:

1/ A minha candidatura foi injustamente excluída da competição eleitoral, como é do conhecimento de todos, por razões meramente políticas e não jurídicas;

2/ Apesar do Supremo Tribunal de Justiça ter admitido publicamente o erro na sua fundamentação “ a não realização do congresso de partido” para um candidato independente, decidiu manter a decisão da exclusão da minha candidatura;

3/ Esta decisão arbitrária, para além de causar grandes prejuízos financeiros, morais e psicológicos, sem que nos sejam abertas possibilidades de reparos, privou uma parte significativa dos cidadãos guineenses de escolherem o único projeto político inovador e portador de profundas mudanças económicas, sociais e políticas, conforme consta no nosso Manifesto apresentado no dia 30 de Julho de 2013.

4/ Apesar da grande injustiça de que fui vítima, reafirmo a todos os meus apoiantes, amigos e simpatizantes de que se mantêm inalterados os objetivos que nortearam a minha candidatura nomeadamente:
-a luta sem tréguas por uma maior justiça social e repartição equitativa das riquezas do país;
- a prioridade aos sectores sociais de educação, saúde e saneamento básico;
-a resolução definitiva da questão energética e da agricultura;
- a refundação do Estado, luta contra todas as forças negativas e de crime organizado.

Estes desafios mantêm-se vivos servindo de alicerce ao novo movimento político de que serão todos convidados a tomarem parte muito ativa para bem do nosso país.

4/ A todos os apoiantes, amigos e simpatizantes agradeço pelas mensagens de encorajamento e do apoio moral manifestado ao longo deste difícil período que estou a travessar.

5/ Recomendo a todos os apoiantes de exercerem com entusiasmo o vosso dever cívico que é o de votar.

6/ Em nome dos superiores interesses do País vou aceitar os resultados saídos das urnas, mantendo-me disponível para servir e dar o meu apoio ao candidato e programas partidários que venham encarnar a paz e a estabilidade nacional.

Bissau, aos 8 dias de Abril de 2014.
Tcherno Djalo

GUINÉ-BISSAU PRECISA DE AJUDA INTERNACIONAL

http://mobile.ghanaweb.com/wap/article.php?ID=305953


ELEIÇÕES GERAIS: A CAMPANHA ELEITORAL TERMINA A MEIA NOITE DE HOJE E AMANHÃ É O DIA DO POVO ELEITOR REFLETIR NAS VÁRIAS PROPOSTAS APRESENTADAS DURANTE TODO ESSE TEMPO POR PARTIDOS E CANDIDATOS AS PRESIDENCIAIS.

E não se esqueçam de uma coisa muito importante:

-- Dia 12 de Abril é do POVO,

-- Dia 13 de Abril é do POVO e

-- Depois do anúncio dos resultados, é daquele que vencer decidir o que vai fazer connosco,

Portanto irmãos, "VOTEM" com responsabilidade, e, isso significa, antes de ir para a "URNA" pensar em três coisas:

-- O dia de Ontem (o que passamos),

-- O dia de Hoje (o que estamos a passar) e o

-- O dia do Amanhã (o que queremos para nós e para os nossos filhos e netos)

TUDO ESTÁ NAS NOSSAS MÃOS, É SÓ DECIDIR DIREITO E PRONTO!!!!!!!!!!!!!!!!

ELEIÇÕES GERAIS: UNIOGBIS OFERECEU ALGUNS MATERIAIS AOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PÚBLICO E PRIVADOS.

No lote de materiais ofertados está:

-- Motorizada, Gravadores Digitais, Computadores e Saldos para Telefone Móveis para a cobertura do dia de votação.

OBS: A Rádio Galaxia de Pinjiguiti não foi contemplada, porquê ninguém sabe. Embora tudo indica tratar-se da sua alegadamente participação na invasão da Embaixada da Nigéria no passado dia 8 de Outubro de 2013.

ÚLTIMO DIA DE CAMPANHA ELEITORAL: HOUVE ALGUMAS ALTERAÇÕES EM RELAÇÃO AOS DADOS AVANÇADOS ANTERIORMENTE.

 - PRS : Vai realizar o seu último comício popular no Bairro LALA QUEMA.

-- PRID : Ao largo da Câmara Municipal de Bissau.

-- SORY DJALÓ : No Campo do Bairro de HAFIA

ELEIÇÕES GERAIS: CRUZ VERMELHA LANÇA PLANO DE CONTINGÊNCIA NO DIA DE VOTAÇÃO

Comunicado à imprensa

A Cruz Vermelha da Guiné-Bissau é uma instituição de carácter humanitária, que inspira na realização das suas actividades nos princípios do Direito Internacional Humanitário e age no respeito dos princípios fundamentais do movimento Internacional da cruz vermelha que são:

Humanidade, Imparcialidade, Neutralidade, Independência, Voluntariado, Unidade, Universalidade.

A Cruz Vermelha da Guiné-Bissau tem como Missão principal, prevenir e aliviar, com Imparcialidade absoluta, o sofrimento das comunidades mais vulneráveis, sem discriminação por motivos de nacionalidade, de raça, sexo, classe, religião ou opinião política.
A sua visão, é tornar-se uma Sociedade Nacional credível, capaz de organizar serviços de socorros de urgência. Contribuir para melhorar a saúde, criar serviços de apoio às comunidades vulneráveis, adaptados às condições nacionais e regionais, e aliviar o sofrimento de vítimas das calamidades.

No quadro de cumprimento da sua missão para que foi incumbida, a CVGB elaborou um plano de contingência para implementar durante todo o período das eleições gerais, este plano visa proteger e assistir as vítimas de diferentes casos que são verificados ao longo dos dias dos comícios, momento de votação, situações como por exemplo: acidentes, perda da coincidência, dor da cabeça, ferimento, agressão física e muitos outros casos que devem merecer uma assistência humanitária.

O risco de derrapagem relacionada com eleições gerais (presidenciais e legislativas) na Guiné-Bissau também pode sem dúvida ter consequências humanitárias para a população, incluindo aqueles que já sofrem de pobreza crónica e sem acesso aos serviços de base, onde o desenvolvimento de um plano de preparação e resposta a um evento de uma grande crise é muitíssimo importante para todos sem discriminação.

Este plano de contingência é uma acção conjunta de preparação da Cruz Vermelha da Guiné-Bissau e seus parceiros locais, incluindo aqueles em risco de situações de violência. Este plano descreve um conjunto de estratégias, medidas e acções necessárias para uma melhor preparação e implementação de uma resposta humanitária eficaz para as populações que poderão vir a sofrer.

Antes de elaborara este plano, fez-se um estudo sobre a situação sócio político em geral no país, e depois o plano foi orientado no pior cenário com os riscos da violência eleitoral, avaliamos as necessidades humanitárias e determinamos que tipo de assistência será necessário para minimizar as dificuldades das populações afectadas.

Para a implementação deste plano de contingência, foram mobilizados e reciclados 300 voluntários a nível nacional através das nossas estaturas dos comités regionais e locais, com equipas bem preparadas e capacitadas em matéria de assistência em primeiros socorros, serviços sócias, abastecimento de água, abrigo, restabelecimento de laços familiares e outros serviços de carácter humanitária.

Serão montadas aqui em Bissau 15 brigadas com 06 voluntários cada nos pontos e locais mais críticos, próximo das mesas das assembleias de voto, assim como nos comités regionais e locais as brigadas de primeiros socorros serão igualmente montadas.
A cruz vermelha da Guiné-Bissau, aproveita esta oportunidade para desejar a toda a população da Guiné-Bissau que votem na paz, tranquilidade, irmandade e sobre tudo para bem-estar do povo guineense.

Para mais informações contacte:
Daniel Sanha – 00 245 584 55 95, Av. Unidade Africana ½ C.P. 14-1036

FIM DA CAMPANHA ELEITORAL: HOJE, 12 DE ABRIL, É O ÚLTIMO DIA E OS GRANDES PARTIDOS E ALGUNS CANDIDATOS ESCOLHERAM BISSAU PARA ENCERRAR A CAMPANHA ELEITORAL

Estamos em condições de avançar algumas agendas já do nosso conhecimento:

-- PAIGC : Sua Sede em Bissau na Praça dos Heróis Nacionais (16H00)

-- PRS : Largo da Câmara Municipal de Bissau (16H00)

-- NUNO GOMES NABIAM : Em frene à UDIB na sua Sede Nacional de Campanha.

-- PAULO GOMES : Rotunda do Aeroporto Internacional Osvaldo Vieira.

-- RGB MOV. BAFATA : Chão de Pepel no largo da Meteorologia (16H00)

-- PARTIDO MANIFESTO DO POVO : Campo de Pedrada no Bairro Militar.

OBS:  Comícios de risco que exigem mais cuidados e mais agentes de segurança são, o do PAIGC e o do NUNO GOMES NABIAM, que se realizarão muito próximos um do outro.

VOTAÇÃO ANTECIPADA: ONTEM A CRE - SAB ACOLHEU 671 AGENTES DE FORÇA DE DEFESA E SEGURANÇA NO PROCESSO DE VOTAÇÃO ANTECIPADA, CONTRARIAMENTE AOS DOIS MIL ANTERIORMENTE ANUNCIADOS.

ELEIÇÕES GERAIS. CRE DE BISSAU LANÇOU UM COMUNICADO PEDINDO OS AGENTES DE MESA DE ASSEMBLEIAS DE VOTO A COMPARECEREM DIA 12 DE ABRIL NAS ANTIGAS INSTALAÇÕES DA CNE NO CENTRO DA CIDADE PARA A DISTRIBUIÇÃO DE KITS PARA AS DIFERENTES LOCAIS DE FUNCIONAMENTO DAS MAV.

De acordo com a nota, o horário de distribuição é o seguinte:

1 -  11H00 - Agentes das MAV dos Círculos Eleitorais 28 e 29

2 - 14H00 - Agentes das MAV dos Círculos Eleitorais 24, 25, 26 e 27

PRESIDENTE DO GANA E EM EXERCÍCIO DA CEDEAO QUE ESTEVE ONTEM NO PAÍS ATÉ A NOITE, GARANTIU TUDO FAZER PARA MOBILIZAR APOIOS PARA O PAÍS DEPOIS DAS ELEIÇÕES E 13 DE ABRIL E PEDIU OS ATORES POLÍTICOS, MILITARES E SOCIEDADE CIVIL A TUDO FAZEREM PARA QUE AS ELEIÇÕES DECORRAM NUM CLIMA DE ESTABILIDADE E SEGURANÇA.

ELEIÇÕES GERAIS: DIASPORA JÁ ESTÁ PRONTA PARA O VOTO, MAS, AGUARDAM AINDA OS MEIOS FINANCEIROS QUE VIRÃO DE BISSAU PARA ASSEGURAR O PROCESSO DE VOTAÇÃO.

quarta-feira, 9 de Abril de 2014

PETRÓLEO NA GUINÉ-BISSAU

Introdução
O Progresso Nacional orgulha-se de apresentar mais um artigo de fundo, de jornalismo de investigação, sobre os nossos recursos naturais: depois dos fosfatos de Farim, abordamos agora o assunto do petróleo. Recorde-se que foi o Progresso Nacional que chamou a atenção para o relatório técnico 
que haveria de dar aso a várias notícias, uns dias depois, no princípio deste 
ano, na comunicação social portuguesa e guineense.


Há que saber aproveitar os bons exemplos na defesa dos interesses dos países e dos povos: estamos a pensar no caso de Timor, que pretende impugnar os termos desiguais de um acordo bi-lateral de partilha de recursos minerais com a Austrália, por sonegação da informação. Mais do que nunca é preciso estarmos atentos e perceber que a informação é vital para a tomada de decisões que possam beneficiar o Progresso Nacional.


Começaremos pela questão da disputa territorial que se seguiu à Independência nacional, relativamente à delimitação das fronteiras marítimas, cujo último passo foi a Lei de Fixação dos Limites das Zonas Marítimas do país, aprovada pela Assembleia Nacional Popular, no passado dia 9 de Dezembro de 2013. Apresentaremos um breve resumo, realçando o papel da Agência de Gestão e Cooperação na integração sub-regional.


Efectivamente, a AGC é uma entidade transnacional criada procurando solução para o diferendo territorial com o Senegal e dedicada a gerir uma zona económica comum, definida a Norte pelo azimute 268 e a Sul pelo 220, tomando o Cabo Roxo por ponto de rotação. Sedeada em Dakar, é dirigida por um guineense, o engenheiro Júlio Baldé, distribuindo 50/50% nas pescas e 15/85% nos minerais, a favor do Senegal.


O Senegal, cuja capital é iluminada graças a uma captação de gás, mas que continua fortemente deficitário energeticamente, manteve fortes expectativas relativamente à descoberta de petróleo comercial na sua fronteira Sul, mas teve nos últimos anos resultados decepcionantes no próximo offshore. Frustrante: quase duas décadas de prospecção e tanto dinheiro 
gasto acabar por dar apenas em furos selados e abandonados.


Relatórios apontam agora mais para Sul, onde se sabem existir pelo menos cerca de trinta depósitos de grande dimensão que são como armadilhas para petróleo. Tem sido como que um jogo do gato e do rato. Prospecções goradas, que passados uns anos se descobre baseadas em dados pouco consistentes, empresas que compram licenças, outras desistem, vendem participações, fundem ou abrem falência. Muita especulação.


O processo de captação e de tratamento da informação, por várias técnicas, também evoluiu bastante. Apresentamos o trabalho da Dolphin (golfinho), empresa norueguesa em forte crescimento dedicando-se à cartografia multi-sensorial dos fundos marinhos e que tem em curso um projecto multi-cliente abrangendo toda a faixa costeira da África Ocidental, da Mauritânia a Conacri, que dotará a indústria de informação relevante. Em paralelo,
foi feito o anúncio, no passado dia 12 de Março, do lançamento de um mapeamento do offshore da Guiné-Bissau, graças a um contrato entre as novas empresas do ramo da prospecção sísmica, a MGGS bv e a Geopartners Ltd.


Estes projectos disponibilizarão um conjunto de dados cobrindo de forma sistemática todo o offshore da Guiné-Bissau (e em especial o da zona de exploração comum com o Senegal), cujo cruzamento com outras tecnologias (como a da aquisição de informação por satétile) é um valiosíssimo contributo para a tomada de decisões de probabilidade de prospecção, sendo legítimo supor que representa um avanço de décadas (ao ritmo a que se estavam a processar) para o arranque da exploração económica.


Entretanto,a «competição» por África envolve não apenas a já tradicional França, que aspira a manter a sua afirmação de potência, mas também os Estados Unidos (que reconhecem em recentes relatórios oficiais, o seu interesse no emergente petróleo oeste-africano), a China, com uma actuação de mãos largas no tocante a obras públicas e «pouco exigente» em matéria de regime, e os russos, interessados em recuperar o antigo prestígio.


O enorme salto que a informação geofísica a disponibilizar representa é um grande desafio para a Guiné-Bissau e a Petroguin, no sentido de sistematizar essa informação e de criar uma massa crítica nacional de decisão, garantindo o interesse do país nas negociações dos termos das concessões. Este é um desafio para o novo Governo, legitimado pelas urnas, no sentido da TRANSPARÊNCIA, perante o povo, quanto aos processos, e contrapartidas envolvidas, evitando assim apropriações indevidas, de forma a colocar esses fundos ao serviço do desenvolvimento.


Contexto histórico
A Guiné-Bissau é um caso bastante original em África. A primeira razão é por Portugal ter aproveitado a oportunidade da Conferência de Berlim de 1886, para assinar com a França uma convenção: em troca do reconhecimento do Mapa Cor-de-Rosa e de efémeros direitos à faixa da África austral que liga a costa de Angola à costa de Moçambique, Portugal cedia à França, a Norte, a região de Casamansa; contra Cacine, pequena compensação a Sul.


As potências colonizadoras estavam, na altura, apenas interessadas na definição dos limites da terra firme (incluindo, claro, as ilhas), pois o mar era considerado livre, sendo a noção de mar territorial limitado ao alcance de um canhão. No entanto, com o aparecimento da exploração de petróleo offshore, o caso mudou de figura, e a Guiné-Bissau apresenta também a originalidade de ter tido a primeira fronteira marítima (para além do mar territorial) em toda a África.


O caso aconteceu em 1958, com a sobreposição de licenças de prospecção de petróleo, na mesma zona, concedidas à Exxon, por parte de Portugal e à Total, pela França. O inevitável litígio veio a dar origem a um acordo luso-francês (efectuado por troca de notas diplomáticas), a 26 de Abril de 1960, tomando por referência o farol de Cabo Roxo e estabelecendo por limite um azimute de 240 graus, que se pretendia adaptado «à configuração» do país.


O azimute 240 (em 360), se substituirmos a bússola por um relógio com a mesma orientação (o meia-dia indicando o Norte) traduz-se pelas 8 horas, ou dois terços se estivermos a falar de um bolo, grosso modo a orientação dos rios da região. Embora a França, por essa altura, já não pudesse decidir da fronteira Sul, pois a Guiné Conacri havia declarado independência precoce, parece óbvio que o entendimento de Portugal se referia a ambas as fronteiras. 


Em todo o Norte de África, a delimitação das fronteiras marítimas correspondem a simples paralelos: seguindo aproximadamente o azimute 270; perpendiculares e aproximadamente fiéis a uma linha de costa Norte-Sul. No entanto, precisamente por altura da Guiné-Bissau, a costa começa a definir o Golfo e a «barriga» de África: esta repartição beneficiou claramente o Senegal, em 30º (ou 1 hora), pois a sua costa Sul corre toda de Norte.


Efectivamente, só a partir de Cabo Roxo, a costa inflecte para Leste. O argumento da «configuração» do país é falacioso, pois o que podemos realmente ver, é um cone, com
rios abrindo-se ao mar em delta. A pequena faixa de Casamansa ficava assim com uma 
abertura para o mar desproporcionada, com muito maior amplitude do que os restantes
segmentos de costa, e isso à custa daquela que viria a ser a Guiné-Bissau.


Parece difícil acreditar que o Presidente do Conselho, Salazar, tenha consentido num 
acordo tão desfavorável (sobretudo porque aplicável apenas à fronteira Norte), efectuado
por simples troca de notas. Isso permite suspeitar que em 1960, tal como em 1886, 
estivessem uma vez mais em causa, nessa balança diplomática, entre Portugal e a França
outros interesses, a uma escala global, que não apenas aqueles confinados à Guiné «portuguesa».


A Guiné-Conacri, como Estado independente, reclamou, por Decreto oficial de Junho de 1964, 
o paralelo 10º 56’ 42’’ N como limite da sua fronteira marítima com a Guiné-Bissau. As fronteiras marítimas da então Guiné-Portuguesa, ficavam assim comprimidas entre as linhas vermelhas de um acordo colonial tardio (note-se que a Independência do Senegal ocorrera três semanas antes) 
e um novo país independente: as suas águas afunilavam bem antes das 200 milhas!


Mais tarde, os vizinhos do Sul viriam a invocar a concessão de licenças e o patrulhamento dessa zona por barcos de guerra, sem oposição por parte de Portugal. Por seu lado, por Decreto-Lei de 27 de Junho de 1967, publicado em Diário da República, Portugal fazia concessões petrolíferas e invocava exclusividade em termos de jurisdição de pescas para Sul do paralelo definido por Conacri, igualmente sem que fossem registados protestos.


Em 1970, o decreto da Guiné-Conacri é publicado pelas Nações Unidas, enquanto na Marinha portuguesa circulavam acusações de violação do mar territorial e da zona contígua. Refira-se que, após o lançamento da luta armada pelo PAIGC, este Partido contava com o apoio do Presidente Sekou Tourê, tendo constituído bases de rectaguarda de apoio à guerrilha no seu território. Nesse ano, os portugueses efectuaram um raid militar sobre Conacri.


O facto é que as companhias petrolíferas, face ao litígio e à incerteza de ter que pagar a dois países, desistiram dos seus intentos iniciais. A simples ideia de que os direitos a adquirir possam estar, ou vir a estar, em litígio, é suficiente para afastar os mais sérios dos potenciais investidores: quem tem de fazer aplicações financeiras a longo prazo, gosta de ter garantias sólidas de estabilidade, de perceber o «risco político» como mínimo.


Disputas territoriais
Com a declaração de Independência, a Lei nº1 fez tábua rasa de todas as disposições das leis portuguesas, e em 1975 já o Estado guineense tinha revogado todas as concessões petrolíferas feitas por Portugal. Também em relação à sua fronteira marítima, a Guiné-Bissau pretendia «começar de novo» e basear-se no princípio da equidistância, que seria bastante mais natural e equitativo, bem como internacionalmente aceite.


No entanto, o Direito Internacional e os princípios defendidos pela OUA, defendiam a intangibilidade das fronteiras. E o Senegal confrontou os guineenses com a existência desse acordo colonial, que lhe era favorável, mostrando-se irredutível quanto ao seu cumprimento integral. Em 1977 eram encetadas negociações, para delimitação das fronteiras marítimas, num espírito amigável; no entanto, o impasse acabou por durar anos.


Em 1985, para sair desse impasse, foi resolvido entre ambos os países submeter a disputa a um tribunal arbitral internacional. Formularam-se duas perguntas: se o acordo luso-francês de 1960 era válido e deveria ser respeitado; em caso negativo, qual deveria ser a linha de fronteira. Já em 1989, o tribunal, constituído por três juízes, deliberou afirmativamente, por maioria, em relação à primeira questão, furtando-se assim a responder à segunda.


No entanto, o Presidente, que votou com a maioria, fez uma declaração de que essa decisão, 
não se aplicava à zona económica exclusiva, conceito ainda não desenvolvido ao tempo do acordo de 1960; além disso, o juiz Bedjaoui, que votou vencido, declarou que a decisão do tribunal não era vinculativa, propondo desenhar uma linha pela Lei aplicável no Direito Internacional, tendo boicotado a leitura da sentença pelo tribunal. Ver fonte.


A decisão do Tribunal arbitral foi imediatamente contestada pelo governo guineense, que se recusou a dela tomar conhecimento, dando início a procedimentos junto do Tribunal Internacional de Justiça contra o Senegal. Entretanto, no início de 1990, ocorrem vários incidentes na área em disputa, com barcos de pesca de países terceiros portadores de licenças de pesca da Guiné-Bissau a serem arrestados pela Marinha senegalesa.


A Guiné-Bissau interpelou então o Tribunal com uma série de alegações que, do seu ponto de vista, retiravam validade à deliberação do Tribunal arbitral, as quais foram todas indeferidas. Sem outra saída, em 1991 a Guiné-Bissau volta a interpor uma acção, pedindo ao mesmo Tribunal que, atendendo aos elementos do caso, fixasse a linha de fronteira. Em Janeiro de 1992, no entanto, encetam-se negociações entre as partes, com o mesmo fim.


As negociações acabam por tomar um rumo diferente do esperado, acabando por se centrar na possibilidade de uma zona de exploração conjunta (seria interessante para a história saber de quem partiu a proposta). Em Março de 1994, as partes submetem ao Tribunal Internacional de Justiça o texto de um acordo assinado em Outubro de 1993 em Dakar, no qual se predispunham a resolver o litígio pela criação de uma zona de exploração comum.




Em 1995 dão entrada no tribunal os documentos ratificando esse acordo, manifestando a intenção de descontinuar a acção interposta pela Guiné-Bissau contra o Senegal, tendo o Tribunal arquivado o caso a 8 de Novembro desse ano. A 12 de Junho desse ano, ficara estabelecido o texto do acordo cujo instrumento jurídico, constituindo uma Agência de Gestão da Cooperação, viria a ser rubricado a 16 de Julho do ano seguinte.


A Agência de Gestão e Cooperação ficava, por um prazo de vinte anos (que vencerá a 16 de Julho de 2016), encarregue da gestão da zona de exploração comum, teria sede em Dakar mas seria presidida por um guineense formado na área dos petróleos, vindo a ser escolhido para o lugar o engenheiro Júlio Baldé, a quem agradecemos a grande ajuda que prestou a esta reportagem, traduzida no envio de informações, opiniões e documentos.


Outro documento importante, sobre este assunto, é o artigo publicado nas páginas 2 e 3 do nº2 do orgão de divulgação da Faculdade de Direito de Bissau, Letras Direitas, de Dezembro de 2008, de Mestre Adulai Jabulá, regente das disciplinas de Direito do Urbanismo, do Ordenamento do Território e do Ambiente, e de Direito do Mar, actualmente consultor no Ministério das Pescas, igualmente merecedor de créditos neste artigo.


A zona de exploração económica comum constituía-se com cedências de ambas as partes: baseados no ponto de rotação do Cabo Roxo, a Guiné-Bissau disponibilizava 20º para Sul, definido pelo azimute 220º a partir desse ponto; o Senegal cedia 28º para Norte. Nas negociações, o Senegal tentou, sem sucesso, excluir as suas águas de proximidade, correspondentes ao actual bloco Dome Fiore, dessa zona comum.


Nessebloco haviam, por essa altura, sido feitas descobertas encorajadoras. O Senegal investira importantes quantias em prospecção na área, tendo sido por isso aceite o princípio de que a repartição de eventuais proveitos futuros seria feita, na área do petróleo, a seu favor, fixando-se as respectivas quotas parte em 85% para o Senegal e 15% para a Guiné-Bissau, sem prejuízo da possibilidade de renegociação em caso de alterações substanciais.


Em termos de Direito aplicável, distinguiu-se o petróleo, no qual se aplica a Lei senegalesa, das Pescas, na qual se aplica a Lei guineense. No caso das pescas, a distribuição dos rendimentos é efectuada de forma equitativa, com 50% para cada uma das partes. Note-se que a riqueza da importante bio-massa (com forte capacidade de regeneração) de toda a zona, tem essencialmente origem nos rios da Guiné-Bissau.


São bem notórias duas particularidades da Guiné-Bissau, quando lhe fazemos uma aproximação recorrendo ao Google Earth. Uma delas é a mancha azul clara, única no mundo, que corre, de forma muito característica, dos seus estuários; e outra (provavelmente relacionada, por sedimentação), é a grande dimensão, à escala africana, da sua plataforma continental, visível graças ao mapeamento dos fundos marinhos.


No mapa que apresentamos, encontra-se representada, no perímetro a verde, a zona económica senegalesa correspondente à fachada marítima de Casamansa, a vermelho a zona económica da Guiné-Bissau. A amarelo (sobrepondo-se por partilha, às outras duas), está representada a zona económica de exploração comum, a nova entidade proto-estatal de cooperação, de cuja gestão está encarregue outra entidade, a Empresa (l’entreprise), estreitamente dependente desta. 

Segundo o texto do acordo, «desde a sua constituição, a agência sucederá à Guiné-Bissau e ao Senegal nos direitos e obrigações...» (artigo 5º) e «as partes colocam em comum o exercício dos respectivos direitos, sem prejuízo de títulos jurídicos anteriormente adquiridos e pretensões antes formuladas...» (artigo 6º) ... em construção...